12/11/2013

Uma jornada sem fim

Uma longa caminhada, passos largos e intensos, pisadas fortes e cheios de si.
Olhos cansados, pés ligeiros, sorriso faltoso, lembranças marcantes.
O que observava calado plantou, plantou, “onde foi parar minha colheita”? Não vês que eu pereço? O sonhador é inescrupuloso, tem asas na mente e nos pés, passa pelos caminhos da realidade e não para a observar.
Milhares de passos caminham pelas ruas, plantando e plantando, quando verá o fruto do seu trabalho? De dia contempla o brilho do sol nas plantas, e a noite observa a lua iluminando a grama que não para de crescer.
Sua alma clama por justiça, seguidor e sonhador.
Paga-se um preço pela verdade, paga-se um preço de ser servo e o que dirá dela?
Terá que ganhar seu marido em silêncio, quem irá resgatá-la da masmorra, da dor que consome continuamente a sua alma?
O homem é privilegiado, ele só carrega a semente, ela, o peso da gestação, podendo até correr risco de vida. Suas dores podem ser profundas ou leves, “da-me uma anestesia para que eu me acalme e tudo passe apressadamente”!!!
Pessoas travam batalhas pelas costas usando os que estão perto para um conchavo destruidor.
Aos olhos deles pensavam que ele não enxergava e que não percebiam o que tramavam, mas, agora ri-se deles, sua audição vai além do natural. Tem olhos de raio x, capaz de ver no mais íntimo dos olhos deles e nem sabem que foram pegos.
Os que se gabam em mostrar que são mais instruídos debocham descaradamente do que é menos instruído. Era o momento do reinado enganador se gabar da plebe, a plebe não sabia revidar, mas, encontrou alguém pelo caminho que deu um empurrãozinho e o nada surgiu e se destacou na multidão. Os que passaram por ele pensavam que não ia dar em nada, é só um ventinho que passou por aqui.
Ri-se mais uma vez!!!
O que tem a autoridade se vangloria, seu pescoço sobe numa altura que quase não enxerga o chão que pisa, olha por cima dos olhos caídos e marejados de lágrimas. Seu rosto molhado clama ao que tem asas enormes que o protege na calamidade.
O choroso não vê a hora que poderá sorrir novamente. No dia seguinte se enche de esperança pensando que o dia chegou.
Lá vem ela de novo, seus pensamentos voam e não sabem quando devem pousar. Alma angustiada volta para o seu jardim secreto, o sonho dela se desfez, volta, volta e chama a esperança!!!

A colheita vem passo a passo. Ri-se dele, ri-se dele!!!


(Contos de Lúcia Pandolfo)

Nenhum comentário:

Postar um comentário